Arquivo do mês: janeiro 2007

Ela e sua fantasia

“O mundo é a minha representação”.
Schopenhauer

Tempos sem afagos, sem regalos! Muito tempo sem noite de amor, prazer, gozo… Mas, finalmente, “o encontro é confirmado”.

Ela crê que ele a visitará no hotel à noite. Ceia…

Meio-dia! “Tratar dos detalhes! Uma noite perfeita! Lingerie… Música… Champagne… Frutas… Salmão…”.

Salmão? Mais champignons e ervas. “Restaurante entrega no quarto… Porcelana. Talheres de prata. Um casal…”. Toques no telefone.

– Observe o horário. Sabe onde é o hotel? O cartão…

Ela dedilha a mala e tateia a lingerie. “Victoria’s Secret! As mais sensuais? Talvez esta… Ou esta… E aquela… Cetim… Soutien e calcinha sem costuras. Como Gisele Bündchen… Bem… Ele gostará?”. Aplausos do espelho.

Música? Não viaja sem o iPod. “Passo músicas para o som do quarto cinco estrelas. Quero Chet Baker… Tenderly… Everything happens to me… All the things you are… These foolish things… Things? Coisas do mágico trumpet…”.

Champagne! Zênite! “Importadora do Leblon! Aqui, no Rio, tudo é perto…”. Ela acaricia garrafinhas de 200 e 375. Moët & Chandon. Fundada em 1743… “Para dois, a mini é romântica? Melhor 750 mililitros”. Ela fita a Veuve Clicquot Ponsardin. Lê rótulos a testar seu francês. “Maison Fondée a Reims en Mil Sept Cent Soixante Douze. A outra é mais antiga! Produit de France. L’abus d’álcool est dangereux pour la santé. Consommez avec moderation. Mais de 200 reais!? Levo…”.

O momento do contato se aproxima. Último detalhe antes que ele chegue.

– Copa? Falo do 801. Por favor, traga duas taças, tipo flûte.

Excitação. Respiração suspensa. Sussurros. Êxtase. Frenesi. Transgressão. Volúpia. Libido. Clímax. Mais vezes. Clímaces.

Soirée inesquecível! Madrugada…

Deliciada, ela sai quando amanhece. Tira o “do not disturb”.

Logo, a camareira arruma o quarto. Pinça a lingerie do chão.

Lençóis revoltos. Pétalas de rosas salpicadas. Ainda um cheiro de esplendor – talvez L’Occitane, quiçá vestígios das cenas eróticas. Mas, ainda tem champagne… Só um prato usado. Só um talher com sinal de uso. Só uma flûte usada – marca de magenta ou carimbo de carmim… Sobra do peixe – a metade. A camarista recolhe…

Soirée inesquecível!”.

Na conciergerie do hotel, não há registro de entrada de visitas no 801.

Maria Stella Faciola Pessôa Guimarães
Escritora

O conto “Ela e sua fantasia” foi publicado no Jornal do Museu da Universidade Federal do Pará em novembro / 2006

Anúncios

Procura

Entre os silêncios noturnos,
grito-me o teu nome
que mal vaga em vão
pelas paredes de mim;
pois tantas são as vozes,
entrecortadas, entrecruzadas,
vozes às vezes babélicas,
buzinas, apitos e roncos,
miados, latidos e urros,
todas vivendo em mim,
que o meu grito se perde
pelas frestas da porta
rompe a rua silente
e desperta os olhos de mim.

Abilio Pacheco
Professor, escritor e mestre em Letras